Informações Básicas

Em 1978, o inglês David Kemp descobriu que a cóclea (estrutura localizada no ouvido interno) era capaz de produzir sons e não somente de recebê-los. Essa energia sonora produzida na cóclea, denominada Emissões Otoacústicas (EOA) pode ser captada e registrada através de um microcomputador e de um pequeno fone introduzido no meato acústico externo (canal do ouvido). Sons de fraca intensidade são emitidos através do aparelho que movimentam as células ciliadas externas da cóclea. A resposta à esta estimulação é então registrada.

 

As EOA estão presentes nos indivíduos com audição funcionalmente normal e deixam de ser detectadas quando os limiares tonais estiverem acima de 20-30 dB.

 

Por ser rápido, de fácil aplicabilidade, objetivo e não invasivo, o "Teste da Orelhinha" é um exame com o perfil ideal para triagem auditiva em escolares e neonatos. É também de grande utilidade na avaliação audiológica de crianças com comprometimento neurológico e/ou emocional, que não conseguem responder bem na audiometria convencional.