Indicadores de Risco

O Comitê Americano sobre Perdas Auditivas na Infância (Joint Committee on Infant Hearing) recomenda a identificação de crianças de risco para perdas auditivas pela utilização de uma lista de indicadores de risco, e a realização de triagem auditiva neonatal universal. Os indicadores de risco para a deficiência auditiva segundo JCIH - 2000 são os seguintes: Do nascimento aos 28 dias:

  • História familiar de deficiência auditiva na infância
  • Sinais ou síndromes associadas à deficiência auditiva condutiva ou neurossensorial
  • Anomalias crânio-faciais, incluindo anormalidades morfológicas do pavilhão auricular e conduto auditivo externo
  • Infecções intra-uterinas como citomegalovírus, rubéola, toxoplasmose, sífilis e herpes
  • Admissão por 48 horas ou mais em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal
  • Peso abaixo de 1500 g
  • Hierbilirrubinemia ( em níveis que indiquem exasanguineotransfusão)
  • Medicação ototóxica por mais de 48h, incluindo os aminoglicosídeos, associados ou não com diuréticos de alça
  • Meningite bacteriana
  • Apgar de 0 a 4 no 1° minuto ou 0 a 6 no 5° minuto
  • Ventilação mecânica por período maior de 48h

 Dos 29 dias aos 2 anos de idade:

  • Preocupação/suspeita dos pais com relação ao desenvolvimento da fala, linguagem ou audição
  • Meningite bacteriana e outras infecções associadas com perda auditiva neurossensorial
  • Traumatismo crânio-encefálico acompanhado de perda de consciência ou fratura de crânio
  • Estigmas ou sinais de síndromes associadas a perdas auditivas condutivas e/ou neurossensoriais
  • Medicamentos ototóxicos
  • Otite média de repetição/persistente, com efusão por pelo menos 3 meses.

 Mesmo que seu bebê não tenha nenhum dos indicadores de risco acima relacionados, não deixe de realizar a triagem auditiva neonatal por meio do exame de Emissões Otoacústicas, pois aproximadamente 50% das deficiências auditivas em crianças é atribuída a causas desconhecidas.